Congresso
Vocę Participaria de um Congresso Bíblico?
Sim
Năo
Ver Resultados

Partilhe esta Página



Total de visitas: 37796
O filho de Abner, Salomăo e Roboăo
O filho de Abner, Salomăo e Roboăo

“AOS PAIS DE MEUS NETOS”

Cartas de um avô aos pais de seus netos - G. C. Willis

ANÁLISE DE FAMÍLIAS DA BÍBLIA

Não posso deixar de citar a Benaia. Já desde a minha infância, quando minha mãe costumava nos contar as histórias da Bíblia, eu sempre gostei de Benaia. Ele era um dos heróis de Davi. Haverá algum menino ou menina que não aprecie ouvir o que fizeram estes "heróis"?

"Benaia, filho de Joiada, era homem valente de Cabzeel, e grande em obras: feriu ele dois heróis de Moabe. Desceu numa cova e nela matou um leão no tempo de neve. Matou também um egípcio, homem da estatura de cinco côvados (2,25 metros); o egípcio trazia na mão uma lança como o eixo do tecelão, mas Benaia o atacou com um cajado, arrancou-lhe a lança da mão e com ela o matou" (1 Crônicas 11:22-25). (Não seria Moabe uma figura da carne, o "leão na cova", uma figura do Diabo e o "Egito" uma figura do mundo?).

Joiada, o pai de Benaia, era um líder na casa de Arão (1 Crônicas 12:27). Conforme lemos acima, sua família vinha de Cabzeel, uma cidade no extremo sul da área da tribo dos filhos de Judá, rumo do território de Edom (Josué 15:21). Em 1 Crônicas 27 :5, Benaia é citado como sendo chefe, "o filho do sacerdote Joiada". Benaia sempre permaneceu fiel a Davi, mesmo durante todas aquelas intrigas e invejas que marcaram á ascensão de Salomão ao trono (1 Reis 1), quando até mesmo Joabe tomou o partido de Adonias.

Mas o que queremos contemplar aqui são as virtudes de Benaia como pai. Deste aspecto pouco nos é relatado, mas em 1 Crônicas 27 :5-6, quando lemos dos encarregados dos negócios de Davi, encontramos a seguinte menção:

"O terceiro capitão do exército, designado para o terceiro mês, era Benaia, chefe, filho do sacerdote Joiada também em seu turno havia vinte e quatro mil. Era este Benaia homem poderoso entre os trinta e cabeça deles; o seu turno estava no encargo do seu filho Amizahade".

Que consolo para o coração de um pai quando tem um filho sobre o qual, mais tarde, poderá se apoiar. Que acordo, que sintonia, que confiança e que comunhão não devem. ter os dois gozado entre si! Isto faz-nos lembrar a Timóteo, que tal como um filho junto ao pai trabalhou com Paulo no evangelho. Que Deus possa ajudar a vocês, possa lhes dar a sabedoria necessária para que façam dos filhos companheiros seus, enquanto estes ainda forem pequenos; e que assim, quando estiverem crescidos, vocês possam trabalhar entrosados com eles de forma bem espontânea e natural. Vocês bem sabem, tanto como eu, que o pai de vocês falhou muito neste sentido. Queira Deus que com vocês seja diferente!

 

O filho de Abner

Vocês conhecem a história de Abner, filho de Ner, tio de Saul (1 Samuel 14:50). Ele era o bem conhecido capitão do exército de Saul (2 Samuel 2:8), e que ainda lutava a favor da família de Saul, mesmo já passados alguns anos desde que Davi fora coroado rei.

Parece-nos que Davi sempre honrou e admirou a Abner, e quando finalmente chegou o momento de estabelecer a paz, Davi o acolheu e lhe preparou uma festa. Porém Joabe, ciumento, o mata friamente. Em  parte é devido a isso que o próprio Joabe, mais tarde, também foi ; assassinado. Mas notamos que ' consideração Davi tinha por Abner quando o vemos dizer: "Não sabeis que hoje caiu em Israel um príncipe e um grande homem?".

Ante tão lamentável assassinato, é reconfortante ver como Davi estabelece a Jaasiel, filho de Abner, como chefe sobre a tribo de Benjamim (1 Crônicas 27:21).

 

Salomão

Já nos ocupamos detalhadamente com o passo em falso na vida de Davi, devido ao qual Bateseba veio a se tornar sua mulher. Vimos que o primeiro filho de Bateseba logo morreu. E Salomão era o irmão mais novo desta criança. O significado de seu nome é "pacífico". "E o SENHOR o amou" (2 Samuel 12:24-25); e porque o SENHOR o amou, também recebeu um segundo nome: Jedidias, que significa "o amado de Jeová (do SENHOR)".

Vocês conhecem tão bem essa história, que não preciso contá-la agora. Vocês sabem como tudo parecia ser maravilhoso no começo. Deus tinha-lhe feito aquela proposta maravilhosa de pedir o que quisesse, e o que pediu foi sabedoria. Até o próprio Senhor Jesus pôde falar de "Salomão em toda a sua glória". É provável que jamais houve um outro que, em sua juventude, gozou de tão maravilhosas perspectivas para o futuro como Salomão.

Ainda assim, já nos primeiros anos de seu governo, houve indícios de que nem tudo estava em ordem. Logo no começo do reinado ele aparentou-se com Faraó, rei do Egito, pois tomou a filha deste por mulher e a trouxe à cidade de Davi (1 Reis 3: 1). Não havia razão para Salomão tomar uma mulher no Egito. E é bem provável que esta tenha sido uma idólatra, pois não demorou muito para Salomão reconhecer que esta mulher não condizia com o "santo monte Sião", tanto que lemos que: "Salomão fez subir a filha de Faraó da cidade de Davi para a casa que lhe edificara; porque disse: Minha esposa não morará na casa de Davi, rei de Israel, porque santos são os lugares nos quais entrou a arca do SENHOR". Salomão deveria saber que uma mulher que não fosse digna de morar na cidade de Davi, também não seria digna de se tornar sua esposa. Nos dias de Esdras, os judeus que tinham tomado para si mulheres pagãs foram inclusive obrigados a despedi-Ias (Ed 10). Hoje, no tempo da graça, a graça de Deus afirma que a mulher crente santifica o marido descrente, e vice-versa, o marido crente santifica a esposa descrente. Desta mesma forma, também, os nossos filhos são santificados mesmo que apenas um dos pais seja crente. Mas, devemos atentar que esta não é uma carta branca para que se case com cônjuge descrente. A clara indicação da Palavra de Deus em 1 Coríntios 7 :39 é: "somente no Senhor".

Já que estamos falando do matrimônio, eu gostaria de chamar a atenção para um assunto que passamos por alto em uma análise anterior. Recentemente, chamou­-me a atenção o especial cuidado que Abraão dedica ao casamento de seu filho. Com que firmeza ele determina que Isaque não deveria tomar mulher dentre as nações ao redor! Mas Isaque tampouco deveria voltar para aqueles lugares donde seu pai saíra. Quão cedo os filhos de Isaque esqueceram a seriedade com que seu avô encarou este assunto, e o próprio Isaque aparentemente não fez muita questão quando Esaú tomou mulheres dentre as nações ao redor, ou quando Jacó retomou para aquela terra... ainda que seu pai outrora o proibira! Tudo isso evidencia talvez uma maior liberdade, mas não um crescimento em graça ou santidade.

Os seus filhos talvez ainda sejam novos para que vocês considerem o casamento deles, mas vocês vão se admirar quão rápido se passam os anos, tais preciosos anos, em que os filhos estão junto com vocês. De repente, então, vocês estarão encarando esta questão que é a mais importante na vida prática de seus filhos. Que Deus lhes ajude neste assunto tão difícil, e que lhes conceda sabedoria e fidelidade para com Ele.

Mas voltemos a Salomão.

 Parece que ele não aplicou a sabedoria que Deus lhe havia dado à sua própria vida. Não se passa muitas vezes o mesmo conosco? O que sabemos melhor é mostrar ao outro como proceder corretamente, mas andarmos nós próprios no reto caminho... Salomão pôde dizer:

"Dize à sabedoria: Tu és minha irmã; e ao entendimento chama teu parente; para te guardarem da mulher alheia" (Pv 7:4-5). "Ora, além da filha de Faraó, amou Salomão muitas mulheres estrangeiras: moabitas, amonitas, edomitas, sidônias e hetéias, mulheres das nações de que havia o SENHOR dito aos filhos de Israel: Não caseis com elas, nem casem elas convosco, pois vos perverteriam o coração, para seguirdes os seus deuses. A estas se apegou Salomão pelo amor. Tinha setecentas mulheres, princesas, e trezentas concubinas; e suas mulheres lhe perverteram o coração. Sendo já velho, suas mulheres lhe perverteram o coração para seguir outros deuses; e o seu coração não era de todo fiel para com o SENHOR seu Deus, como fora o de Davi, seu pai. S9lomão seguiu a Astarote, deusa dos sidônios, e a Milcom, abominação dos amonitas. Assim fez Salomão o que era mau perante o SENHOR , e não perseverou em seguir ao SENHOR, como Davi seu pai. Nesse tempo edificou Salomão um santuário a Camos, abominação de Moabe, sobre o monte fronteiro a Jerusalém, e a Moloque, abominação dos filhos de Amom. Assim fez para com todas as suas mulheres estrangeiras, as quais queimavam incenso e sacrificavam a seus deuses" (1 Reis 11:1-8).

O brilhante começo somente vem a realçar a coloração negra dessa trágica debandada para o mal. Ao analisarmos a vida de Davi, fomos lembrados de que Deus havia sublinhado a ordenança de que o rei, que haveria de escolher, não deveria multiplicar para si mulheres (Dt 17:15,17). Vimos também que as provações horríveis e as dores que acometeram a Davi foram uma conseqüência do desprezo deste mandamento tão claro. Ou seja, além de dispor do próprio mandamento de Deus, Salomão ainda tinha vivenciado aquela séria lição; mesmo assim, desprezou voluntariamente o mandamento de Deus, e andou em manifesta desobediência.

Sua desobediência custou a Roboão, seu filho, dez das doze tribos de Israel. O amargo fruto dessa desobediência de Salomão persiste até ao dia de hoje. Onde estão hoje as dez tribos? Esse enigma continua sem solução. É Deus somente quem tem a resposta, mas sabemos que, apesar do pecado de Salomão e de todas as falhas humanas, virá o dia em que Deus visitará estas dez tribos, congregando-as de todas as partes, levando-as de volta à sua própria terra (veja Ezequiel 37:15-28 e Jeremias 16:15). Assim, até mesmo por toda a extensão da dolorosa conseqüência do pecado de Salomão podemos enxergar a graça de Deus, que é maior que o pecado do homem, e que ao fim traz consigo o restabelecimento. Mas, como é longa a noite de trevas pelas quais terão que passar essas dez tribos; e lembremos que tudo isso foi causado pelo pecado daquele que foi o mais sábio dentre os homens! Consideremos ainda que o seu começo justificava grandes expectativas com vistas à vida terrena.

 

Roboão

É com o coração bastante entristecido que contemplamos a história de Salomão, mas quando notamos que seu filho Roboão tinha por mãe "Naamá, amonita" (2 Cr 12: 13), não estranhamos que este também não seguiu por um bom caminho. Tal como seu pai e avô, ele também multiplicou para si mulheres. Tinha dezoito mulheres e sessenta concubinas. É assim que Deus comenta dele: "e (lhes) procurou muitas mulheres" (2 Cr 11:23; o pronome "lhes", entre parênteses, não consta do texto original. N. do T.). Sua mulher preferida foi Maaca, filha de Absalão (2 Cr 11 :20), mas do capítulo 13:2 podemos concluir que este não era o Absalão filho de Davi. Roboão quis que seu filho Abias, filho dessa Maaca, o sucedesse como rei. Mas em 1 Reis 15: 13, lemos que essa Maaca era uma idólatra e "tinha feito um horrível ídolo a Asera". Que pensamento horripilante considerar que essa mulher era a mãe de um governador do povo de Deus!

PROVÉRBIOS 4:3-5

3 Quando eu era filho em companhia de meu pai, tenro, e único diante de minha mãe,

4 então ele me ensinava e me dizia:

Retenha o teu coração as minhas palavras; guarda os meus mandamentos, e vive;

5 adquire a sabedoria, adquire o entendimento, e não te esqueças das palavras da

minha boca, nem delas te apartes.

 

"Estudos sobre a palavra de Deus” - Hebreus 4