Congresso
Vocę Participaria de um Congresso Bíblico?
Sim
Năo
Ver Resultados

Partilhe esta Página



Total de visitas: 55126
Escolhei hoje a quem sirvais!
Escolhei hoje a quem sirvais!

Escolhei hoje a quem sirvais:

Josué 24:15

 

A Cristo ou... ao Mundo?!

O dia da apostasia vem se aproximando a largos e rápidos passos, e igualmente o dia no qual o Senhor virá para arrebatar os Seus. O atual momento é de tão solene caráter, que sinto-me constrangido a escrever-vos esta palavra de exortação. Homens piedosos em todos os lugares, que observam os sinais dos tempos, vêm o momento que se aproxima quando a atual dispensação da graça chegará ao fim. Evidentemente, é chegada a hora, quando se faz necessário falar clara e decisivamente, e inquirir de vós onde estais e o que estais sendo vós.

Vós tendes estado, pela graça, que se tem mostrado mais e mais brilhante com o aproximar do fim desta dispensação, reunidos fora da fervente confusão de idolatria e perversidade que vem ameaçando de destruição a cristandade e o mundo, destruição mais terrível do que a que assolou as antigas Sodoma e Gomorra, e pergunto-me se estais suficientemente inteirados da responsabilidade e da bênção que há no terreno onde vos encontrais, e se estais andando como homens e mulheres cujos olhos têm sido abertos. Creiam-me, nunca houve na história do mundo tal época como a atual, e Satanás está se ocupando convosco como não faz com qualquer outra coisa, e esta ocupação convosco é temível por causa da sutileza de seus ardis. Seu objetivo é desviar a vossa atenção de Cristo enquanto supondes estar em um terreno seguro e nada ter a temer. Ele pode valer-se desta mesmíssima verdade para vos destruir. Note que astúcia: vós estais em um terreno seguro somente enquanto' Cristo for para vós tudo em todas as coisas. Este é o ponto onde Satanás está arrastando com alguns para fora.

Entreponhais qualquer coisa entre vossa alma e Cristo, e vossa "Filadélfia" se toma "Laodicéia"; a vossa segura posição se toma tão insegura quando a do resto da cristandade; vossa força se vai, e vos tomais tão fracos como qualquer ordinário mortal. Alguns de vós sois jovens, recém-convertidos aos retos caminhos do Senhor, e não conhecem os abismos, as profundidades de Satanás. E é por isso que sois tão solenemente advertidos do perigo, e se o mal vos alcançar, não podereis alegar ignorância. Novamente digo, Satanás tem os olhos especialmente sobre vós, com o propósito de introduzir, em qualquer forma ou aspecto, o mundo entre vossas almas e Deus. Ele não se importa como, de que modo, ou mesmo quanto possa fazê-lo. Se, porém soubésseis de que conseguindo apenas um pouco ele já satisfaria os seus odiondos desejos, ficaríeis certamente alarmados. Não é necessariamente através do que é flagrante e vergonhoso, como o mal já manifesto e propagado (não o seu simples princípio). Não é através de algo declarada­mente mau que ele pretende arruinar-vos, mas com as pequenas coisas, que aparente­mente são inofensivas - coisinhas que não poderiam chocar ou ofender a ninguém por si mesmas, mas que, ainda assim, são um mortífero e astuto veneno destinado a arruinar o vosso testemunho e arrebatar-vos de Cristo.

Perguntais, todavia o que seriam estes alarmantes sintomas e onde seriam eles vistos? A pergunta somente mostra o caráter do entorpecedor veneno que está sendo usado.

Irmãos, vós tendes sido contaminados pelo espírito do mundo. Vossas vestes, maneiras e linguagem, como também vossa falta de espiritualidade demonstram isto em todas as vossas reuniões. O ambiente pesado que se sente, as limitações, uma necessidade de poder, que é manifesta claramente nas reuniões, tão claro como se vossos corações fossem visivelmente expostos, e seus pensamentos publicamente lidos, demonstram o estado em que vos encontrais. Uma forma de piedade começa a ser vista entre vós; piedade sem poder, tão claramente como é vista na cristandade em geral. Se vos ocupais com o mundo, certamente vos rebaixareis ao nível dele. Esta é a natureza das coisas. É necessário que sejam assim. Se vos ocupais das coisas do mundo, o privilegiado terreno que tendes conquistado, em vez de proteger­-vos, somente expor-vos-á a uma maior condenação. É imperativo que seja ou Cristo ou o mundo. Não pode ser, ou melhor, não deve ser, Cristo e o mundo. A graça de Deus, tirando-vos do mundo em vossa ignorância é uma coisa, mas Deus nunca permitirá que prostituais a Sua graça, sendo inconstantes após terdes sido separados do mundo. Lembrai-vos que vós tomais o lugar, e clamais os privilégios daqueles cujos olhos têm sido abertos; e se por um lado isto é uma bênção indizível, por outro, é a mais temível posição em que o homem se pode encontrar. E o mesmo que estar às bodas sem os vestidos de núpcias; é o mesmo que dizer "Senhor, Senhor" quando não se faz o que Ele dita; é o mesmo que dizer "Eu irei Senhor", e não ir.

Mas de vós, amados, estou persuadido de coisas melhores, ainda que eu assim fale. Tenho confiado em vós no Senhor, que vós O bendireis por estas palavras. Nada pode ser mais glorioso do que a posição que fostes chamados a ocupar nestes dias tão próximos do fim. Muitos santos têm suportado as oposições, vigiando por cansativas noites e dias durante estes séculos que se passaram desde o princípio da era cristã. E vós? Vós somente esperais pelo soar da trombeta da vitória para entrar e tomar posse da gloriosa herança! Outros trabalharam, e vós entrastes no seu trabalho, e agora, com efeito, estais vos rebaixando de vossa dignidade para o nível de miseráveis vasos de barro que somente esperam o cajado do Vencedor (e vosso também) para serem feitos em pedaços. Oh! despertai então de vossa letargia, não dormiteis mais! Lançai fora vossos ídolos e falsos deuses; lavai vossas vestes e ide a Betel, onde conhecereis que Deus é melhor do que nunca O conhecestes, mesmo em vossos melhores dias. Lançai fora os últimos retalhos de vossa vestidura mundana; guardai vossas palavras; que sejam elas sobre Cristo e Seus assuntos, e não, como tem sido, e vós o sabeis, sobre qualquer coisa menos Ele. Que vossas orações

se mesclem com as dos outros santos nas vossas reuniões de oração; elas nunca foram tão necessárias. Não negligencieis as oportunidade de reunir ensinos da Palavra, a qual pode, só ela, guardar-vos dos caminhos da destruição, e sejam vossas .vidas um espelho dos ricos tesouros que tendes ajuntado pela leitura, ou nas reuniões de estudo bíblico ou mesmo em secreto com o Pai.

Se desejardes ocupação, com uma gloriosa recompensa do Mestre, pedi a vosso Mestre que vos envie a trabalhar para Ele. Nunca vos arrependereis, quer neste mundo ou no que está para vir.

Amados suportai-me. Eu me glorio de vós com um compassivo orgulho. Vós pertenceis a Cristo e Cristo a vós. Não quebreis esta santa união. Não seja a prometida, infiel a Seu Noivo. Porque serieis roubados e pervertidos? E para ganhar o que? Vagens vazias e frutos amargos, enquanto desperdiçais este pequeno tempo de bênção! Todas as distinções adquiridas aqui, com a energia do Espírito servirão para vos acrescentar beleza e formosura aos olhos daquele que vos desposou para Si. Poderíeis recusar-lhe Seu deleite em vós? Poderíeis recusar-lhe o fruto do penoso trabalho de Sua alma? A Ele, que foi uma vez pendurado no Calvário, agonizante, entre dois malfeitores, como espetáculo ao mundo e aos anjos, e por vós - vós que tendes vos esquecido dEle (pois não poderíeis ter-Lhe desprezado) e de Sua devoção por vós? Ele poderia ter tomado o mundo sem passar pela cruz, e ter-Lhe deixado fora, mas não quis. E agora ireis, uma vez tendo sido enriquecidos por tal agonia, por tal sangue dolorosamente derramando, tomar o mundo em vossa tolerância, e deixá-LO fora? IMPOSSÍVEL!!! Vossa mente pura necessita somente ser despertada por tais lembranças!

Portanto tomemos coragem neste momento. Nós estivemos crendo, confessando nossa falta de devoção e piedade. Não tomaremos, portanto estas palavras como a resposta de nosso sempre glorioso e fiel Senhor para nos despertar, e para refazer nossas energias? E então quanto mais rapidamente Ele vier melhor será! Não seremos, certamente, envergonhados perante Ele na Sua vinda!

 

De uma carta de J.N. Darby

 

Servir a Deus (Parte 1)