Congresso
Você Participaria de um Congresso Bíblico?
Sim
Não
Ver Resultados

Partilhe esta Página



Total de visitas: 66285
A OCUPAÇÃO NÃO RECONHECIDA
A OCUPAÇÃO NÃO RECONHECIDA

A OCUPAÇÃO NÃO RECONHECIDA

Segunda Parte

 

Na edição anterior tratamos da instrução às jovens mulheres casadas para serem... "donas de casa", segundo Tito 2:5. Mas está a Palavra realmente dizendo que uma mulher casada não deva ter um emprego ou outra atividade?

Já comentamos que o termo grego (oikourgos), traduzido por "donas de casa" em nossa Bíblia em português, significa literalmente "ocupadas com as tarefas do lar". Associa o "lar" com uma "atividade", um "trabalho". Os dicionários traduzem este termo com os seguintes sinônimos: "doméstico; relativo ao governo do lar, zelo e manutenção da casa".

Nem a origem e nem o significado desta palavra dão a entender outra coisa senão o trabalho doméstico de uma mulher casada. Em 1 Timóteo 5:14 temos uma orientação para jovens mulheres que enviuvaram; Paulo diz: "Quero, portanto, que as viúvas mais novas se casem, criem filhos, sejam boas donas de casa ...". O governo da casa e a família sempre devem ser a prioridade da mulher crente que é casada, mesmo que isto muitas vezes lhe custe fadiga e sacrifícios. Seria, portanto, uma contradição à doutrina da Bíblia caso a esposa e mãe der maior importância à atividade profissional do que à sua casa e família.

Mas isso ainda não quer dizer que uma mulher não possa ter uma profissão. No livro de Atos temos o relato de uma mulher que era vendedora de púrpura, a Lídia (At 16:14). A experiência mostra que é muito oportuno que uma irmã jovem e solteira aprenda uma profissão apropriada, algo que corresponda a suas aptidões e afeições.

Nossos dias estão marcados pela desconsideração dos princípios de Deus. "Direitos iguais!" já é um clamor quase esquecido, o que se reivindica hoje são posições iguais - a "equiparação". A mulher se dedicar apenas à sua casa e família é um pensamento que quase não é cogitado. Quando mães ou esposas seguem sua profissão sem que esta seja uma obrigação das circunstâncias, e assim relegarem sua família à "prioridade número dois", então isso é uma pena muito grande; é quase certo, também, que haverá repercussões negativas em sua vida espiritual e na de sua família, especialmente em seus filhos.

A. Remmers

 

"Estudos sobre a palavra de Deus” - Hebreus 6